Contos do vigário

Parece que ta rindo, Ferro puro. Deitado na poça de sangue, as moscas azuando e ele ali, na dele: 9 balas de metralhadora no corpo e rindo.
A gente é que ta na merda, sem ele. Chegou aqui tem uns 5 anos, assim que saiu da cadeia. Pagou logo as contas de todo mundo: luz, água, telefone e celular. Construiu dois banheiros na avenida e fez a fossa. Não deixava faltar nada pra galera: caixão de defunto, paletó pra pastor, grade de cerveja, ebó, jogo de camisa, dominó, cesta básica, gás, material escolar, flores prá procissão, e o caralho. Devo a ele a minha identidade. Ninguém pode reclamar de nada. Ferro puro nunca me pediu prá vender bagulho. Vendi foi porque quis. Dava uma força pra ele e ganhava o meu. Pedras, massa e muito pó. As pedras eu usava e ele nem tchum. O pó e a erva a galera vinha buscar aqui na porta, de carrão. Só gente branca e educada: polícia, milico, muita gatinha e político, artista como quê.
- Fica com o troco guri.
E eu fingia não ver a cara deles.
Ferro puro me levou e comi minha primeira mulher. As dele agora tão no pânico. E minha mãe prenha, a coitada.
Os fundamentos vão fazer na rua mesmo. Medo de levar o corpo pro terreiro... povo frouxo!
Vou pro enterro sim; chorar é que não vou. Sou homem, mas de menor. Se pintar sujeira me saio numa boa.
Tá foda a violência mano. Como é que a gente vai viver agora aqui, sem ele?
- Ta rindo é pra mim, Ferro puro? Tô ligado. Pois então se saia numa boa, que eu seguro a onda aqui, meu pai.

8 comentários:

Anônimo disse...

Depois dessa quem não segura a onda sou eu. Cruel demais!
Léo

Marcelo Mendonça disse...

Tá lá o corpo estendido...

ELon disse...

Que forte!

Anônimo disse...

Que forte!(2x)
Beijos a todos
Mariara

vinialves disse...

E o cíclo continua...
Nunca acaba, apenas novos chegam quando a validade dos antigos acaba.
A rotatividade é estranha e constante...
Estranha... para o 'lado de cá', realmente é estranho... Para o 'lado de lá' é simplesmente normal. Como dormir peão e acordar chefe.
Muitos mundos em um só mundo. E ponto.

Renildo Barbosa disse...

tem coisas que não precisamos entender, só sentir. Aqui neste texto-lamento-nostalgia-sofrimento temos esta prova.......

Ane Brasil disse...

Caraca, mermão!
O foda é que eu conheço essa história... mudam alguns nomes, mudam alguns lugares, mas o enredo é o mesmo!
Sorte e saúde pra todos!

paulinho disse...

Obrigado por essa pérola, Padre. Adorei.